IGTI Blog
Carreira: tendências de mercado

Carreira: tendências de mercado

Você será protagonista ou espectador na sua vida profissional?

Há um trecho no clássico no livro de Lewis Carroll “Alice no País das Maravilhas” em que Alice está caminhando pela floresta quando chega numa encruzilhada, onde inúmeros caminhos se apresentam. São diversas estradinhas, placas de orientação e uma menina indecisa sem saber muito bem para onde ir. Surge então um gato que, irônico, debochado e misterioso, pergunta a Alice se pode ajudá-la. Então eles têm o seguinte diálogo:

         – Poderia me dizer, por favor, que caminho devo tomar para sair daqui?- pergunta Alice.
          – Isso depende bastante de onde você quer chegar, responde o Gato.
          – O lugar não importa muito… diz Alice.
          – Então, não importa que caminho você vai tomar, diz o Gato.”

Este bate-papo reforça a premissa de que, quando não sabemos para onde vamos, qualquer caminho serve. Algumas pessoas se deixam levar desta forma em suas vidas profissionais e constroem uma trajetória profissional ao longo das diversas oportunidades de trabalhos que vão aparecendo ao longo da vida.

Você já parou para refletir sobre sua carreira? Ou deixou-se levar pelas ofertas do mercado de trabalho? Sabe o que você quer ou aceita o que a empresa estruturou para você? Busca seu desenvolvimento ou deixa isso a cargo da sua liderança?

Quando falamos de carreira, pensamos em progresso constante: um percurso sistematizado a ser percorrido por um profissional, dentro de um espaço e tempo determinados. Embora seja claro que a carreira tem a sua origem no indivíduo, ela está cada vez mais relacionada com as demandas do ambiente e com as estratégias adotadas pelas organizações. Assim sendo, a carreira profissional deve ser pensada como uma estrada em permanente construção, com a participação tanto do profissional quanto da empresa. O problema é quando deixamos todas as decisões nas mãos da empresa e não planejamos nossa carreira estrategicamente.

Em adaptação às inovações que estão ocorrendo no mundo contemporâneo, novos modelos de carreira estão em construção para adaptação às novas configurações do trabalho e do mercado. Estes modelos possuem como premissa, uma relação de independência no desenvolvimento da carreira do indivíduo com a organização. Vamos conhecer alguns?

Carreira sem fronteiras (boundaryless careers)

Na carreira sem fronteiras, não existe mais hierarquia e estabilidade na carreira. O indivíduo passa a buscar sentido para sua profissão e preocupa-se menos com a organização. Ela prevê o desenvolvimento de uma relação independente e transacional entre organização e indivíduo.

Neste modelo o empregado não se limita a ter relações comerciais com um empregador único, ou seja, pode ter diversos empregadores com diferentes vínculos empregatícios ou até mesmo de ocupações. Pode ocorrer também que a carreira ganhe uma significação de exterior, independente da organização. Podemos citar como exemplos a carreira dos profissionais de tecnologia, que atravessa as fronteiras entre organizações, como é comum, por exemplo, no Vale do Silício.

Um profissional de mercado que atua também na carreira acadêmica, com empregadores diferentes e até mesmo o corretor de imóveis, que se sustenta em redes de relacionamento que estão fora da organização. Podemos concluir, portanto, que, neste modelo, o profissional passa a ter uma relação de autonomia no desenvolvimento de sua carreira, o que na visão tradicional era de responsabilidade da organização.

Carreira em espiral

Este modelo adota uma configuração espiral, em ziguezague, em substituição ao formato de uma escada. Uma trajetória de carreira em espiral está muito mais em sintonia com as necessidades do mundo contemporâneo, pois possibilita o desenvolvimento de pessoas que têm profundidade e amplitude de habilidades.

Na carreira em espiral, as mudanças são constantes: isso possibilita a realização de atividades novas e diferentes. O modelo permite o desenvolvimento da expertise de especialistas, quanto uma visão mais ampla, do generalista.

Podemos utilizar como exemplo de carreira em espiral a de um profissional que iniciou sua carreira como bioquímico em uma empresa de biotecnologia. Começou a trabalhar como especialista num laboratório de pesquisa e depois tornou-se líder de equipe. Quando estava com trinta anos, envolveu-se com projetos de administração de qualidade na empresa. O projeto o levou a se interessar pela área comercial: fez então uma transição e abraçou a carreira de vendas. Com quarenta anos, é um dos gerentes regionais de vendas mais bem-sucedidos de sua empresa, pois, devido ao seu conhecimento de especialista em química, ele tem a capacidade de se relacionar tecnicamente com os clientes. Quando estes estão insatisfeitos com os produtos, ele identifica o problema, procura o laboratório de pesquisa e desenvolvimento e sugere  novos projetos.

Carreira proteana

O termo proteana é derivado do deus Proteus que, na mitologia grega, possuía o dom de prever o futuro e a capacidade de transformar sua aparência física no ser que desejasse. O desenvolvimento da carreira proteana se dá por meio da aprendizagem, auto-direção e constantes desafios no trabalho. É o modelo onde todas as variadas experiências da pessoa em formação e treinamento, transições, mudanças e identidade são consideradas. Envolve também as atividades profissionais nas diversas organizações e é desenhada mais pelo indivíduo do que pela organização.

Outra característica interessante do modelo é que ela pode ser redirecionada, alterada, de tempos em tempos para atender às necessidades do profissional. A gestão da carreira proteana define-se como um processo contínuo de tomada de decisões e de soluções de problemas relacionados ao trabalho e à vida pessoal, exigindo um grande contingente de informações que advêm, primordialmente, do autoconhecimento. O profissional que opta por este modelo, tem predileção por correr riscos e desafios encontrados no trabalho e no mercado, possui um grande desenvolvimento profissional, investimento na formação acadêmica. Também se dedica ao desenvolvimento de competências e realiza uma boa gestão de recursos, como tempo e dinheiro.

A carreira proteana se desenvolve, por exemplo, em atividades como trabalho temporário, prestação de serviço de consultoria, contratos de profissionais na modalidade de pessoa jurídica, empreendedorismo, fusões e aquisições. Portanto, este modelo de carreira não se caracteriza pela estabilidade no emprego, mas pela independência e flexibilidade do indivíduo frente à organização, a fim de gerir sua própria carreira.

Planejamento Estratégico Pessoal e Análise de Mercado

Planejamento Estratégico envolve uma análise do ambiente, a definição de objetivos, o estabelecimento de metas, a decisão sobre ações necessárias para atingi-los e o feedback (retorno) dos resultados. Trata-se de um processo contínuo, onde o futuro pode ser melhorado com uma intervenção no presente.

O Planejamento Estratégico Pessoal, por sua vez, consiste em um processo contínuo e sistemático de análise pessoal, estabelecimento da direção a seguir e organização dos esforços para atingir os objetivos pessoais e profissionais. Este processo inicia-se com um estudo de mercado: O estrategista de marcas Leonardo Kim fez uma lista com dez tendências que irão guiar o mercado.

A primeira tendência é a de criação de ferramentas para a construção de produtos tecnológicos que permitem um gerenciamento mais simples sem a necessidade de muitos conhecimentos técnicos por parte dos usuários. Em segundo lugar, estão as ferramentas que auxiliam marcas pessoais que possam fazer a diferença na hora de conquistar os consumidores. A terceira tendência é conquistar os novos consumidores da geração “Millennial”. Portanto, é imprescindível entender como eles pensam e criar produtos para esta geração.

Como o trabalho remoto virou uma realidade, a quarta tendências é oferecer serviços eficientes para o treinamento de funcionários que trabalham longe da sede da empresa. Em quinto lugar estão as fusões e aquisições de empresas e, em sexto, as ferramentas que focam a vida saudável e facilita a gestão da saúde e da nutrição. A sétima tendência envolve o e-commerce: a crescente demanda por itens disponibilizados em lojas online faz com que esse nicho de mercado se fortaleça cada vez mais se comparado ao crescimento de vendas nas lojas físicas, sem esquecer-se de manter os clientes sempre próximos, que é a oitava tendência.

Em nono lugar, Leonardo Kim destaca o treinamento de habilidades dos líderes das empresas, que vai focar nos seus pontos fortes, reforçando o talento natural. Em décimo e não menos importante, está a tendência em ações sustentáveis e no desenvolvimento de produtos com métodos que fortalecem a cultura da sustentabilidade.

Anotou? Lembre-se: sua disciplina é que o levará ao sucesso. Sua carreira está em suas mãos. Aprenda sempre com seus sucessos e fracassos e lembre-se que você está em constante construção.

Professora autora: Yara Jurisch